Você consome ovos de galinhas que passam a vida inteira confinadas em gaiolas minúsculas? Se você compra no Pão de Açúcar (parte do Grupo Pão de Açúcar e Grupo Casino, ao lado do Extra e do Assaí), é provável que a resposta seja SIM. Enquanto empresas como McDonald’s, Burger King, Bob’s, Unilever, Nestlé, GRSA e várias outras já estão eliminando as gaiolas, o Pão de Açúcar ainda compra ovos de produtores que mantêm as galinhas em gaiolas tão pequenas que elas mal podem se mexer. Essa é uma prática que nenhuma empresa deveria apoiar.

Assine a petição

Peça ao Pão de Açúcar (parte do Grupo Pão de Açúcar e Grupo Casino, ao lado do Extra e do Assaí)que pare de comprar ovos de galinhas confinadas em gaiolas.

Vamos acabar com essa crueldade agora!

Leia a petição

Prezados,

Meu nome é Raphael Augustus, e eu criei esta petição com a Mercy For Animals porque a maioria das galinhas hoje exploradas na produção de ovos para o Pão de Açúcar  (parte do Grupo Pão de Açúcar e Grupo Casino, ao lado do Extra e Assaí) são confinadas praticamente a vida toda em gaiolas minúsculas, em que mal podem andar, esticar as asas ou expressar qualquer comportamento que lhes seria natural.Os senhores conseguem imaginar o que seria passar a vida inteira sem conseguir sequer esticar os braços?

O Pão de Açúcar é um dos grandes líderes de mercado no Brasil. No entanto, ao continuar comprando ovos de aves que vivem sob confinamento em gaiolas para suas operações, o Grupo Pão de Açúcar e suas marcas (hoje, Pão de Açúcar, Extra e Assaí) estão ignorando um enorme anseio do consumidor quanto a esse assunto.

Eu fiquei sabendo que a maioria dos grandes supermercados nos Estados Unidos, Canadá, México, Reino Unido, Dinamarca, Alemanha e outros países já se comprometeram a comprar apenas ovos de galinhas que não são submetidas a confinamento em gaiolas, reduzindo imensamente o sofrimento desses animais. E eu me pergunto: por que no Brasil o Grupo Pão de Açúcar e suas marcas (hoje, Pão de Açúcar, Extra, Assaí) continuam comprando e vendendo ovos produzidos de maneira que decidiram ser cruel demais para serem vendidos em todos esses países?

Como líder de mercado, o Grupo Pão de Açúcar tem poder para parar de comprar ovos de galinhas submetidas a confinamento em gaiolas. Por favor, tomem uma atitude a esse respeito e adotem uma política de, em um prazo razoável, somente comprar ovos de galinhas não submetidas a confinamento em gaiola para todas as suas operações no Brasil.

Obrigado!

Assine a petição

A realidade das granjas de gaiolas em bateria

Espremidas em Gaiolas

Numa típica granja em sistema de gaiolas, as galinhas exploradas para produção de ovos vivem em gaiolas tão pequenas que mal conseguem andar ou esticar suas asas.

Negligenciadas

Muitas galinhas ficam presas e sofrem lacerações ou têm membros mutilados no aramado das gaiolas. Em granjas típicas, muitas são negligenciadas, deixadas sem cuidados enquanto sofrem e morrem.

Decomposição

Em típicas granjas de produção de ovos em sistema de gaiolas, é comum ver aves mortas deixadas ao lado de galinhas que ainda botam ovos para consumo humano.

Reduzidas a Máquinas

Mantidas em condições absolutamente deploráveis numa típica granja de ovos em sistema de gaiolas, impedidas de satisfazer suas necessidades mais básicas, elas são tratadas como meras máquinas de produção de ovos.

Essas Marcas Estão Ligadas Com A Crueldade Animal

Saiba mais sobre essas aves dóceis

Assim como muitos animais, galinhas se preocupam com higiene pessoal. Elas "tomam banho" passando poeira do chão em seu corpo com suas asas e depois se chacoalham, fazendo isso repetidamente. Esse "banho de poeira" previne doenças, irritação da pele e oleosidade.

Embora sejam animais altamente sociais, as galinhas também gostam de privacidade. Na hora de botar ovos, movidas por seu instinto de escondê-los de predadores, a maioria prefere fazer seus ninhos em locais mais isolados.

As galinhas são muito inteligentes e têm excelente memória. Estudos mostram que elas conseguem reconhecer as feições de até 100 outras aves. Assim como cães, as galinhas também aprendem e respondem pelo nome.

Como consumidor, a melhor forma de ajudar a acabar com essa crueldade é deixar os animais fora do prato.